Solidão e o desafio de estar bem consigo mesmo.

Chegando o inverno, vamos tocar na questão delicada que é a solidão.
São nas noites frias que normalmente a vontade de estar junto de um(a) parceiro(a) fica escancarada, naturalmente a necessidade do aconchego aumenta e sim, a dois (quando há conexão/empatia), tudo parece muito melhor!
Mas o que fazer quando não se tem um companheiro(a)?
Aproveitar as companhias que aparecem? Até que ponto sair por sair ou ficar com alguém pouco interessante vale a pena, diante do tempo e energia que se perde, e principalmente diante dos efeitos colaterais que isso pode causar…
Outra opção é curtir a baixa temperatura com vinho e gordices com os amigos disponíveis… Mas até que ponto não nos entupimos de comida e bebida para alimentar a fome de afeto?
Às vezes o mais saudável, e até econômico do ponto de vista das ressacas (moral e física), é o bom e velho sofá com filmes, mas muito cuidado para não ficar preso na preguiça e no falso estado confortável de acomodação. Questione se você está sozinho por opção – todos devem se beneficiar de desfrutar de sua própria companhia de vez em quando – ou para não encarar conflitos e questões que implicariam mudanças.
Opções para afastar subitamente a solidão existem, mas, de verdade, o importante é fazer um cara a cara com o que seus sentimentos e desejos pedem, se questionar se não sente uma falsa satisfação quando faz programas que envolvem pessoas, comida e sexo.
Tem também aqueles casos de quem não está propriamente sozinho(a), mas se sente só. A famosa solidão a dois. Nesse caso é preciso ponderar se é uma fase, se a questão é o relacionamento, ou se o sentimento é apenas de uma das partes.
Cabe enfatizar que a solidão é um sentimento até certo nível normal, importante inclusive, por ser o contraponto de se sentir bem acompanhado(a). Que bom que a solidão costuma ser passageira, e ela pode indicar a necessidade de mudanças importantes, tais como desenvolver uma nova turma de amigos ou talvez mesmo um amigo(a) mais íntimo(a). Nos momentos de solidão é preciso aprender a fazer as coisas por si mesmo, ou seja, cuidar de si e de seus interesses de um modo geral, principalmente os emocionais, focando no que pode trazer satisfação real e melhoria na sua qualidade de vida.
Trabalhe com a solidão a seu favor, use o seu tempo sozinho para conhecer a si mesmo. Não lide com a sua situação de solidão de modo passivo, afinal você pode optar por simplesmente existir, ansiando pelo momento em que você vai estar com os outros, ou você pode explorar a possibilidade de fazer coisas interessantes sozinho, mesmo que sejam programas que você costuma vislumbrar apenas na companhia de outras pessoas (como ir ao cinema, ir ao teatro, fazer caminhadas, conhecer um novo lugar, etc).
Mas, caso você esteja realmente se sentindo só, busque programas que propiciem conhecer outras pessoas com interesses em comum e tenha uma postura positiva para que queiram conhecer você. Mas para que não passe por tentativas frustradas, que te façam se sentir ainda mais só, é importante fazer reflexões do tipo “Atualmente você se sente interessante/atraente?” Se a reposta for negativa, tenha consciência de que a sua autoestima pode não estar bem, e é preciso trabalhar isso, pois você estará apto a se relacionar bem com as pessoas ao seu redor apenas se estiver bem consigo mesmo(a).

Cuidar de suas necessidades emocionais e ser boa compainha

Cuidar de suas necessidades emocionais e ser boa compainha

Deixe seu comentário