Psicoterapia


O que é Psicoterapia?

Antes de sanar esta dúvida entenda “o caminho” que motiva as pessoas a procurarem um profissional especializado e que proporciona saúde psicológica e bem-estar (consigo e com os outros) além de influenciar em todas as áreas da vida.

Mas que caminho é este? Na análise psicodramática:

• Crise
• Angústia
• Processo de Busca
• Psicoterapia
• Clima Terapêutico
• Abrangência da Psicoterapia

• Crise – Caracteriza-se pelo aparecimento da angústia e do processo de busca (sensação da falta de algo e necessidade de buscar esse algo na vida). É uma situação onde a pessoa geralmente procura ajuda nos amigos mais velhos, na religião, nos místicos e alguns no psicoterapeuta.

• Angústia – É o que faz as pessoas buscarem por tratamento psicoterapêutico e classificada em:
1) Angústia existencial – Aparece quando o projeto de vida esta ameaçado, quando o caminho que você traçou não aconteceu ou esta em risco exigindo reorganizações que refletem em outros projetos.
2) Angústia Circunstancial – Aparece junto a um conflito (real ou da fantasia) que impede a tomada de uma decisão normalmente ligada a um projeto pessoal ou profissional.
3) Angústia patológica – Aparece quando uma ou mais situações aparentemente simples levam ao medo, insegurança, incapacidade e etc.

• Processo de Busca – É um processo atrelado ao desenvolvimento humano ligado a busca de explicação para a “sensação de que falta alguma coisa em mim”, que pode passar a fazer parte da vida e dificultar o processo de desenvolvimento psicológico.

Com o amadurecimento a pessoa para suprir esta falta produzindo na vida resultados satisfatórios permitindo o auto-conhecimento, compreensão de suas sensações e auto-aceitação ou contrário disto comum nas queixas que chegam no consultório: …“não sou nem estou como gostaria, pois falta algo…”

Comumente as pessoas trocam ou confundem esse processo de busca (o que falta para sentir-me completo?) por outras buscas na vida tais como dinheiro, prestígio, sexo e etc.

Encontrar o que satisfaça esta busca na vida necessita de um alto grau de intuição e ao mesmo tempo a pessoa fica submetida às regras do acaso para que determinadas situações aconteçam.

As principais causas de insucesso desta busca quando lançada para a vida são:
1) Não tem uma idéia clara do objeto de busca já que a falta é interna (não palpável).
2) Não é uma busca sistematizada, não sabe por onde começar e muitas vezes nem onde quer chegar.
3) Não se tem controle suficiente das variáveis do próprio comportamento, podendo até encontrar o que busca e não integrar identidade.
4) Não se tem o controle das variáveis do comportamento dos outros para que sejam criados os climas e situações de que o individuo necessita para suprir necessidades que faltaram em seu desenvolvimento psicológico.

• Psicoterapia – Mais completo e eficiente processo acelerador do desenvolvimento psíquico e/ou psicológico, porque:
1) Clareia e conscientiza o que busca para vida, na medida em que norteia o indivíduo sobre suas faltas internas (identidade) e externas.
2) Sistematiza os procedimentos da busca com técnicas da Análise Psicodramática.
3) Controla as variáveis internas, possibilitando que o cliente entre em contato com suas defesas e tendências reativas ao se aproximar de seus objetos de busca.
4) Controla as variáveis externas, criando situações artificiais (dramatizações, relação terapeuta-cliente, grupos de psicoterapia, psicoterapia de casais e famílias, etc.) para a produção de situações que faltaram na vida deste indivíduo ou então auxilia a criá-las na vida.

• Clima Terapêutico – Comparada a uma rede de proteção e obrigatório no processo de psicoterapia, pois possibilita que o cliente entre em contato com suas partes menos nobres e censuradas por ele mesmo ou por outro, sem este clima terapêutico o cliente pode sentir-se sem continência, não aceito e até desprotegido.

• Abrangência da Psicoterapia – No decorrer do processo é trabalhado:
1) Visão real de si próprio e do outro como verdadeiramente é e não como gostaria ou deveria ser.
2) Conflitos não resolvidos, internamente pendentes como ressentimentos que acabam por interferir no “como lidar” com situações de tempo presente que de alguma forma tem semelhanças com as situações do passado.
3) Função psicológica delegada a outra pessoa ou coisa – Dependências diversas.