Compulsão ou Dependência: qual a diferença?

03-compulsao_dependencia

No último texto falei sobre compulsão, desta vez vou falar sobre dependência.

É importante fazer essa diferenciação, pois ambos são comportamentos que atrapalham a vida de uma pessoa e dificilmente, sem a ajuda profissional, ela conseguirá fazer uma auto-análise e dizer se o seu “companheiro cigarro” ou “assaltos à geladeira” se tratam de compulsão ou dependência.

Na compulsão e na dependência o comportamento alivia uma situação de angústia, mas a principal diferença é que no caso das compulsões o discurso sempre é: “Eu quero parar de comer (fumar, beber, se drogar etc), mas não consigo”.

Já no caso da dependência não há a verdadeira vontade de parar, o discurso sempre é: “Eu sei que comer (fumar, beber, se drogar etc) faz mal e está me prejudicando, mas eu não tenho vontade de parar porque simplesmente gosto. Para essa pessoa parar com a dependência pode acarretar um sofrimento muito grande.

Diferentemente da compulsão, a dependência não tem ressaca moral, não existe um conflito ou questionamento entre a “vontade” e o “parar”. Então, nas dependências a angústia está ligada à possibilidade de parar com o vício, seja ele qual for, pois ele preenche um buraco emocional que normalmente é desconhecido, por exemplo: “Eu me sinto confuso, mas quando bebo consigo me decidir…”. Importantíssimo você saber também que a dependência pode ser por coisas, pessoas ou bichos.

E você, é dependente de quê? O que o impede de parar de fazer algo que você sabe que está lhe prejudicando, mas na verdade não quer?

Tanto nas compulsões como nas dependências, parar de fazer algo exige um grande esforço e autoconhecimento onde, obviamente, um processo de psicoterapia é o melhor tratamento indicado.

Compulsão alimentar: sintomas e como tratar

02-compulsao_alimentar

Comer, beber, transar, comprar, malhar… Muitos verbos nos remetem às compulsões mais comuns e presentes no cotidiano de  muitas  pessoas. Veremos a compulsão como uma forma de comportamento repetitivo e atrelado a um “jeito de lidar” com situações angustiantes do indivíduo ligadas aos conflitos psicológicos, aos quais são aliviados pelo ato compulsivo.

O mecanismo de descarga da angústia via compulsão, que a princípio proporciona alívio, é o mesmo para questões ligadas ao sexo, à prática de exercícios etc. Mas daremos foco na compulsão alimentar que geralmente está a serviço de uma compensação de prazer ou satisfação de algo que deveria estar acontecendo na vida ou nas relações, mas não está. Com isso entram docinhos, repetidas refeições, assaltos à geladeira etc… É comum a pessoa só conseguir parar de comer quando acabam as porções ou porque realmente não aguenta mais. Então ela sabe que tem um problema, quer parar de comer de forma descontrolada, mas não consegue, até se propõe a comer menos, mas também não consegue, quando se dá conta já comeu o que podia e o que não podia. Depois de comer muito, se depara com a ressaca moral ligada a uma sensação de culpa e de intenso fracasso.

Temos aqui, neste exemplo, a marca da compulsão, que é o desejo de parar impedido por algo mais forte: a falta de controle sobre o agir.

Soma-se à busca de alívio da angústia psicológica descarregada no ato de comer à angústia circunstancial de estar fora do peso, de ter problemas de saúde, de se expor pelo exagero da comilança, e até pela vergonha da própria inadequação do ato.

Costuma-se ter ansiedade presente nestes quadros e outros problemas consequentes na saúde, o que implicam na necessidade de um tratamento psicológico e de outros profissionais.

O tratamento psicológico irá buscar quais as reais causas do descontrole, adequando o desejo à necessidade do indivíduo, assim como promovendo uma autocensura sem maiores repressões, podendo também lidar com os conflitos dos pensamentos decorrentes da ressaca moral por ter comido demais. Sim! Ressaca moral, o que não acontece nas dependências, mas sobre esse assunto falarei num outro momento…

Você sabe o que é vigorexia?

01-vigorexia01

Basta olhar para bancas de jornal ou ligar a televisão que já nos deparamos com a cultura do corpo perfeito. A estética padronizada de um corpo com medidas e músculos ideais vem sendo cada vez mais valorizada, ignorando-se questões genéticas, saúde física e psicológica.

A insatisfação com a própria imagem e uma auto estima prejudicada levam pessoas a procurar cada vez mais clínicas de estética, de cirurgia plástica e academias. São pessoas buscando um idealismo projetivo sem levar em consideração os riscos à saúde física e emocional, adoecendo do ponto de vista psicológico e psiquiátrico, desenvolvendo sintomas como ansiedade, obsessão, compulsão, depressão, transtornos alimentares entre outros.

Um exemplo deste adoecimento está na Vigorexia, que é um transtorno mental também conhecido como Transtorno Dismórfico Muscular. Mais comum nos homens, os vigoréxicos, que se veem fracos e magros apesar de serem fortes e bem musculosos, o que os levam à prática exagerada de exercícios físicos diariamente para alcançarem mais massa e força muscular. Consequentemente criam novos hábitos e comportamentos no seu dia-a-dia, como muitas horas na academia “puxando ferro” e aumentando sempre a carga do peso, além das alterações alimentares com dieta constituída basicamente por proteínas, suplementos alimentares sem orientação adequada e

o pior, recorrem ao uso de esteróides e anabolizantes, o que é muito preocupante e danoso ao organismo. É o caso do cantor Netinho divulgado recentemente pela mídia, apresentando tumores hepáticos com graves complicações de saúde.